segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Solitude

Solidão é andar por entre estátuas que pensam
porém estão vazias.
Solidão é olhar as estátuas "rindo" e lembrar que
por mais triste e séria que eu parecesse, estava feliz e só você sabia.
Solidão não é se trancar no quarto
e se distrair assistindo TV.
Solidão é saber que estou aqui aguardando a morte naturalmente vir me visitar
para que você não se decepcione e me aceite em seu altar.
Solidão é levar todos os dias uma flor a sua nova cama
e me sentir mais próxima de sua alma.
Solidão não é lacrimejar ouvindo uma música.
Solidão é derramar mares de lagrimas
ou trancá-las para o mundo.
Solidão é ter que esperar mais uma vez
para poder te encontrar.

domingo, 27 de novembro de 2011

The Sisters of Mercy

The Sisters of Mercy foi uma das bandas percursoras do rock gótico, assim como Bauhaus e The Cult. 

Criada por Andrew Eldritch e Gary Marx no ano de 1980. Resolveram gravar seu primeiro single sem praticamente nenhum dinheiro. Um amplificador de três watts e uma guitarra eram tudo que tinham. Gravam seu primeiro compacto e lançam suas primeiras mil cópias.
Como o compacto não rendeu o que esperavam, no ano seguinte eles resolvem começar novamente, mas com algumas mudanças. Andrew passa a se dedicar totalmente aos vocais - no compacto lançado anteriormente, ele dava uma de baterista, péssimo segundo ele mesmo. Gary assume as guitarras e Craig Adams é convidado para assumir o posto de baixista da banda. Sem baterista, a bateria eletrônica entra em cena e isso ficou sendo a marca registrada da banda.


 Em fevereiro deste mesmo ano, 1981, já com esta nova formação, o Sisters fazem a sua estréia nos palcos. De acordo com a biografia oficial no site da banda, foi um misto de Motorhead com Chrome.


Em 82 sai o segundo single do grupo, com Body Electric e Adrenochrome, que foi considerado o single da semana pelo semanário Melody Maker.
 Em novembro mais um single, agora com Alice e Floorshow. Com estes singles a banda demarca o caminho que iria seguir e passa a dominar as paradas independentes como nenhuma outra havia feito até então.


Em maio lançam o primeiro EP, The Reptile House, com Kiss the Carpet, Lights Valentine, Fix, Burn. Já com uma bagagem musical respeitável saem para uma pequena turnê pela Europa e também para algumas apresentações nos Estados Unidos, logo depois dos primeiros shows europeus resolvem se aventurar pela primeira vez em um estúdio com 24 canais. Desta trip sai mais um single com a clássica Temple of Love e com Heartland e Gimme Shelter no lado B.


Mesmo gravando sem parar, entra o ano de 85 e nada do primeiro disco do Sisters of Mercy, no lugar sai o terceiro single com No Time to Cry. Finalmente em março é lançado o tão esperado álbum, First and Last and Always.
Antes do final da turnê o guitarrista Gary Marx abandona o grupo, que passa a se apresentar como um trio. Logo depois em julho a banda termina sua tour com um show no London´s Royal Albert Hall que resultou no vídeo Wake. O Sister voltaria a tocar ao vivo novamente apenas cinco anos depois deste último show.


No ano seguinte, graças a desavenças pessoais, Wayne Hussey e Craig Adams saem da banda. Os problemas que levaram à saída dos dois, foram relativos ao novo material que estavam criando para o que seria o segundo disco do Sister, algumas músicas que Wayne queria colocar não foram aceitas por Eldritch.


Em 87, dois anos depois da estréia pela WEA, finalmente o Sisters mostra a sua cara novamente, é lançado o single de This Corrosion, com as maravilhosas Torch e Colours no lado B. Este single conseguiu chegar ao primeiro posto da parada de rock alternativo dos Estados Unidos sem ter contado com o apoio da gravadora.
This Corrosion vem com uma nova formação para a banda, e que seria mantida até o lançamento do segundo disco, Patricia Morrison é recrutada para assumir o baixo. Em novembro sai Floodland, que vem com outras mudanças, além da formação, enquanto no primeiro disco o destaque ia para as guitarras, neste o teclado mostra a sua força em sons carregados de experimentalismos de Andrew Eldritch.


No ano seguinte novas mudanças na banda, entra o guitarrista Andreas Bruhn, que junto com Andrew começa a escrever novas músicas para o terceiro disco. Tony James, que anos antes havia recusado o convite para tocar com o Sisters, agora aceita o posto e pega o lugar de Patricia e junto com ele outro guitarrista, Tim Bricheno, que foi chamado de última hora – Bricheno havia sido convidado por Wayne Hussey para tocar no Mission, mas preferiu se juntar ao Sisters -, completam o cast. Com esta formação Vision Thing, o terceiro álbum do Sisters of Mercy é lançado. Este disco é uma total mudança nos rumos do grupo, a volta das guitarras pesadas acabam transformando o Sisters numa quase banda heavy. 


Em 91 eles continuam com a turnê, indo agora para o leste europeu e lançando mais um single - When You Don´t See Me - e partem para uma mini-turnê pela America do Norte. O primeiro show seria em Ontario no Canadá e todos os ingressos foram vendidos em apenas duas horas. Na volta para a Europa mais shows na Polonia, Hungria e Alemanha. Neste ano ainda o Sisters voltariam aos Estados Unidos para uma serie de shows que contou com as bandas Warrior Soul, Gang of Four e Public Enemy abrindo os espetáculos. Com a divulgação das bandas alguns promotores de shows americanos acharam que a mistura de estilos poderia transformar cada apresentação em algo muito perigoso, a coisa chegou em um ponto que um show em Detroit foi cancelado pelas autoridades, mesmo estando com todas as entradas já vendidas. Ainda em 91 eles fazem várias apresentações em festivais europeus como o Reading Festival e o Rock Am Ring. No final da extensa turnê Tony James resolve sair.


Em maio de 92 é lançada a primeira coletânea oficial da banda, Some Girls Wander by Mistake, contando com a regravação de Temple of Love que contou com a participação da cantora israelense Ofra Haza. O single de Temple of Love (1992) se tornou o primeiro grande hit mundial do Sisters. Novamente eles saem tocando em vários festivais que acontecem no verão europeu, além de alguns shows com o Depeche Mode. Já em 93 outra compilação, agora chamada de Greatest Hits, A Slight Case of Overbombing. Deste Greatest Hits, o primeiro single, com novo guitarrista Adam Person, contou com Under the Gun e Alice e chegou rapidamente ao top ten britânico. Para terminar o ano tocam com os Ramones na Alemanha. E novamente ficam em silêncio.

Entra 99 e nada de disco novo da banda, no lugar disso, já no segundo 
semestre, novos shows em festivais, coisa que se repete em 2000.Neste ano eles ainda tocam na Inglaterra e Espanha, e é só.  Em 2001 e a rotina é a mesma, festivais pela Alemanha, Suécia e Bélgica, no final do ano retornam à Inglaterra para tentarem gravar um novo disco.
Em 2002 Chris Sheehan, já de volta à banda, lança em DVD algumas apresentações ao vivo do Sisters. Mais uma vez são o destaque em festivais na Alemanha, Suiça e bélgica e saem em turnê pela Europa na primavera. No momento a banda pensa se vai gravar novo disco ou não, mas promete lançar algum material inédito em gravações ao vivo. O certo é que a partir de março a banda volta a se apresentar em festivais pela Europa.
Comemorando os 25 anos do grupo, Andrew Eldricht sai com a banda para uma turnê mundial que passa pelo Brasil nos dias 19 e 29 de maio, com shows em São Paulo e Rio de Janeiro. Em 2009, o grupo volta para o Brasil para mais alguns shows.




Em muitos anos de carreira a banda atravessou diversas fases distintas com formações variadas, mas isso não tirou sua maravilhosa atmosfera sombria e o Siste vive até hoje.

sábado, 26 de novembro de 2011

Elfos - Analisando melhor essas criaturas tão belas.

 Os elfos são seres antigos e naturalmente mágicos, de forma humanóide, cuja característica principal em sua aparência são as orelhas pontudas. Os elfos são seres de aura misteriosa e possuem uma aparência bela e esguia, apesar de não terem o mesmo poder de atração que a de um vampiro. Geralmente são cheios de si e até mesmo arrogantes por causa de seu poder, o que torna alguns preconceituosos em relação a outras criaturas que não são de sua raça.
Elfos são andrógenos assim como transmorfos, mas suas características diferem de acordo com a raça. Os elfos possuem três raças distintas: os elfos das florestas, elfos dourados e os drows.


As três raças derivam de um mesmo ancestral comum, dos elfos das florestas, e foram se modificando de acordo com o habitat. Parte de seu povo, com o espírito aventureiro, se desgarrou e fixou-se no deserto, dando origem aos elfos dourados. Outra parte de seu povo fora expulsa por relacionarem-se com magia negra e deuses das trevas, refugiando-se em cavernas escuras e sombrias, originando os drows.


Os elfos das florestas são os elfos “tradicionais”, que figuram a imaginação dos humanos desde a antiguidade. Sua pele é clara e os cabelos variam de lisos à encaracolados, com os cabelos negros ou loiros, ou de cores incomuns desde o azul elétrico ao rosa, verde ou violeta. Seus olhos são azuis, verdes ou de tom violáceo. Gostam de trançar os cabelos com ramos e flores, inclusive os machos da espécie, e usam túnicas das mais variadas cores e estampas.
São muito bons com magia relacionada à natureza, principalmente relacionado à plantas e luz (inclusive cura). Não são bons com magia Elemental de fogo ou ar. 
São pacíficos, mas em batalha possuem uma grande habilidade acrobática e velocidade em terreno campestre e florestal, sabendo-se ocultar muito bem nesses locais. Suas armas favoritas são o arco-e-flecha, apesar de ótimos ferreiros.


Os elfos dourados são os elfos que vivem nos desertos. De acordo com o nome da raça, os elfos dourados possuem a pele dessa coloração e os cabelos são completamente lisos, com o tom variando do castanho ao loiro, além de tons avermelhados, do castanho escuro ao vermelho berrante. Seus olhos, por causa da adaptação ao habitat, são puxados como os de humanos orientais, apesar dos demais traços permanecerem. Seus olhos variam do amarelo ao dourado. Gostam de roupas típicas andarilhos do deserto, ao estilo roupas do “Alladim” e usar jóias, principalmente brincos e piercings. Quando atingem a maturidade, recebem sua primeira tatuagem. São bem mais simpáticos do que os outros elfos, mas tem a péssima mania de roubarem ou pregarem peças em viajantes.


Vivem em aldeias isoladas no meio de desertos, sempre próximos de algum grande e suspeito oásis. Simplesmente amam e adoram mexer com mecânica, principalmente montando “engenhocas” para melhor locomoção no deserto. São ótimos com magias elementais de ar e fogo. São péssimos com magias de água. São resistentes ao calor escaldante, no entanto são suscetíveis ao frio.
São ótimos em montar armadilhas, tanto físicas quanto psicológicas e tem talento natural para serem ladinos. Gostam de uma boa confusão, mas apenas pela adrenalina e pelo prazer de pregar peças e “botar lenha na fogueira”. Suas armas favoritas são as cimitarras e adagas curvas.


Os drows são os conhecidos elfos negros. São os elfos mais sinistros e tem natureza maligna. Sua pele é negra e eles possuem os caninos ligeiramente afiados, além de deixarem as unhas crescerem como garras. Seus olhos são negros e com a íris vermelha como sangue, o cabelo liso ou ondulado, de tom variando do grisalho ao branco. São poucos os que possuem o cabelo negro. Os olhos possuem as pupilas dilatadas por causa do habitat, permitindo-lhes uma ótima visão no escuro. Sob a luz, suas pupilas contraem como fendas, assim como os olhos de um gato. Gostam de vestimentas feitas de pele e roupas escuras, como tiras de couro, e braceletes, brincos e colares de prata. São os mais antipáticos dos elfos e não hesitam em matar para conseguir seus objetivos e os únicos que tem gosto por carne humana.


Vivem em cavernas e túneis subterrâneos, o que lhes dá resistência a condições extremas de temperatura, umidade e concentração baixa de ar. No entanto, não podem ficar muito tempo sob a luz do sol, como os vampiros. São ótimos com magia negra e venenos. 
Tem tendências a caçarem e matarem outras criaturas apenas por prazer. São imunes à envenenamento, mas ótimos em criarem poções que são letais para suas vítimas. Gostam de emboscar sua vítima em uma lenta caçada, tortura e morte dolorosa. Suas armas favoritas são adagas, lâminas e agulhas envenenadas.


Os elfos nascem elfos e são imortais, no entanto podem ser mortos das mesmas formas que um humano comum, apenas com maior resistência física e mental.


Fonte: Academia Mistica

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Mistério - Florbela Espanca

Gosto de ti, ó chuva, nos beirados,
Dizendo coisas que ninguém entende!
Da tua cantilena se desprende
Um sonho de magia e de pecados.

Dos teus pálidos dedos delicados
Uma alada canção palpita e ascende,
Frases que a nossa boca não aprende,
Murmúrios por caminhos desolados.

Pelo meu rosto branco, sempre frio,
Fazes passar o lúgubre arrepio
Das sensações estranhas, dolorosas...

Talvez um dia entenda o teu mistério...
Quando, inerte, na paz do cemitério,
O meu corpo matar a fome às rosas!

Pentagrama - Simbologia

Desde os primórdios da humanidade, o ser humano sempre se sentiu envolto por forças superiores e trocas energéticas que nem sempre soube identificar, então, foi em busca de imagens, objetos, e criou símbolos para poder entrar em sintonia com energias superiores e ir ao encontro de alguma forma de proteção.
Dentre estes inúmeros símbolos criados pelo homem, se destaca o pentagrama, que evoca uma simbologia múltipla, sempre fundamentada no número 5, que exprime a união dos desiguais. As cinco pontas do pentagrama põem em acordo, numa união fecunda: o 3, que significa o principio masculino, e o 2, que corresponde ao princípio feminino.
Em tempos medievais, o "Laço Infinito" era o símbolo da verdade e da proteção contra demônios. Era usado como um amuleto de proteção pessoal e guardião de portas e janelas.


Na Maçonaria, o homem microcósmico era associado com o Pentalpha (a estrela de cinco pontas). O símbolo era usado entrelaçado e perpendicular ao trono do mestre da loja. As propriedades e estruturas geométricas do "Laço Infinito" foram simbolicamente incorporadas aos 72 graus do Compasso - o emblema maçônico da virtude e do dever.


Na Wicca é um dos símbolos pagãos mais poderosos e mais populares entre os Bruxos e Magos Cerimoniais. 
O pentagrama representa os quatro elementos: fogo, água, ar e terra, superados pelo espírito. 

Nenhuma ilustração conhecida associando o pentagrama com o mal aparece até o século XIX. Eliphas Levi ilustra o pentagrama vertical do homem microcósmico ao lado de um pentagrama invertido, com a cabeça do bode de Baphomet (figura panteísta e mágica do absoluto). Em decorrência dessa ilustração e justaposição, a figura do pentagrama, foi levada ao conceito do bem e do mal.
Levi, entre uma de suas obras,  publicou o Tetragrammaton - ou seja, o pentagrama com inscrições cabalísticas, que exprime o domínio do espírito sobre os elementos, e é por este signo que se invocavam, em rituais mágicos, os silfos do ar, as salamandras do fogo, as ondinas da água e os gnomos da terra.
Eliphas Levi foi um expositor profundo da Cabala e instrumentou o caminho para a abertura de diversas lojas de tradição hermética no ocidente: a "Ordo Templi Orientis" (OTO), a "Ordem Hermética do Amanhecer Dourado" (Golden Dawn) .

Por volta de 1960, o pentagrama retomou força como poderoso talismã, juntamente com o crescente interesse popular em bruxaria e Wicca, e a publicação de muitos livros (incluindo vários romances) sobre o assunto, ocasionando uma decorrente reação da Igreja, preocupada com esta nova força emergente.
Um dos aspectos extremos dessa reação foi causado pelo estabelecimento do culto satânico - "A Igreja de Satanás" - por Anton La Vey. Como emblema de sua igreja, La Vay adotou o pentagrama invertido (inspirado na figura de Baphomet de Eliphas Levi). Isso agravou com grande intensidade a reação da Igreja Cristã, que transformou o símbolo sagrado do pentagrama, invertido ou não, em símbolo do diabo. A configuração da estrela de cinco pontas, em posições distintas, trouxe vários conceitos simbólicos para o pentagrama, que foram sendo associados, na mente dos neopagãos, conceitos de magia branca ou magia negra. Esse fato ocasionou a formação de um forte código de ética de wicca que trazia como preceito básico: "Não desejes ou faças ao próximo, o que não quiseres que volte para vós, com três vezes mais força daquela que desejaste".




 



Pictures of you - The Cure

Fotos Suas

Eu tenho olhado suas fotos por tanto tempo
Que quase acredito que elas são reais
Eu tenho vivido há tanto tempo com suas fotos
Que quase acredito que essas fotos são tudo o que consigo sentir.

Lembro de você parada quieta na chuva
Enquanto eu corria para ficar junto do seu coração
E nos beijamos enquanto o céu desabava
Te abraçando forte como sempre te abracei quando você tinha medo
Lembro de você
correndo levemente pela da noite
Você era maior, mais brilhante e mais ampla que a neve
E gritava como brincadeiras de faz de conta
Gritava para o céu
E você finalmente encontrou toda a coragem para deixar tudo para trás.

Lembro de você caída em meus braços
Chorando pela morte do seu coração
Você era uma pedra preciosa
Tão delicada
Perdida no frio
Você estava sempre tão perdida na escuridão
Lembro de você
De como costumava ser introspectiva
Você era como os anjos bem mais que tudo
Abraçou pela última vez então escapou silenciosamente
Abro meus olhos
Embora nunca vejo nada.

Se eu ao menos tivesse pensado nas palavras certas
Eu poderia ter me agarrado ao seu coração
Se ao menos eu tivesse pensado nas palavras certas
Eu não estaria fazendo em pedaços todas as fotos de você.

Eu tenho olhado há tanto tempo para essas fotos suas
Mas eu nunca agarrei seu coração
Tenho procurando há muito tempo pelas palavras que tornam tudo verdade 
mas apenas sempre fazendo em pedaços as suas fotos.

Não houve nada neste mundo que eu mais desejei
Do que te sentir profundamente em meu coração
Não houve nada neste mundo que eu mais desejei
Do que nunca ter feito em pedaços todas as suas fotos.


domingo, 20 de novembro de 2011

Subcultura gótica em Salvador

Em 2009, o programa Mosaico Baiano fez uma reportagem sobre a Subcultura gótica em Salvador.
A psicologa Eliana Mariath diz: "Eu vejo alunos melancólicos que não necessariamente são góticos e vejo góticos que não necessariamente são melancólicos".
"Os pais hoje ao meu ver, eles tem de se ocupar mais com seus filhos. A preocupação traz uma ansiedade e as vezes rotula um adolescente, então ele vê o filho pela forma gótica(barbara, obscura) de ser, e não vê o filho com o porque ele elegeu aquela tribo."


Confira aqui o video:



sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Quem foi Lord Byron?

Jorge Gordon Byron, conhecido como Lord Byron, foi um importante poeta inglês do século XIX. 
Nasceu da cidade de Londres em 23 de janeiro de 1788. 
É considerado, na literatura inglesa, um gênio poético e um dos principais representantes do romantismo inglês. Seus poemas são carregados de inspiração exaltada, crítica social, impetuosa e violenta. Apresentam temas ligados à tristeza humana e melancolia. Seu primeiro livro de poemas foi “Horas de lazer”, escrito em 1807.



Fez muitas viagens, que o inspiraram. Em Genebra, viveu com Claire Clairmont com quem teve uma filha, em 1817, chamada Allegra.
Byron era aleijado de um pé. Morou um tempo em Lisboa, porém uma situação desagradável o indispôs contra os portugueses. Foi morar no Oriente, em seus últimos anos de vida. Morreu em Missolonghi no dia 19 de abril de 1824.


Curiosidade: Byron era um dos autores prediletos de   Álvares de Azevedo. Álvares faz citações dele em Lira dos 20 anos: 
" Let me perish young"; "A dream that was not all a dream. Darkness". Traduzindo: 
"Deixe-me morrer jovem"; "Um sonho que não era todo um sonho.  As trevas"



Versos Inscritos numa Taça Feita de um Crânio

Não, não te assustes: não fugiu o meu espírito
Vê em mim um crânio, o único que existe
Do qual, muito ao contrário de uma fronte viva,
Tudo aquilo que flui jamais é triste.
Vivi, amei, bebi, tal como tu; morri;
Que renuncie e terra aos ossos meus
Enche! Não podes injuriarme; tem o verme
Lábios mais repugnantes do que os teus.
Onde outrora brilhou, talvez, minha razão,
Para ajudar os outros brilhe agora e;
Substituto haverá mais nobre que o vinho
Se o nosso cérebro já se perdeu?
Bebe enquanto puderes; quando tu e os teus
Já tiverdes partido, uma outra gente
Possa te redimir da terra que abraçar-te,
E festeje com o morto e a própria rima tente.
E por que não? Se as fontes geram tal tristeza
Através da existência-curto dia,
Redimidas dos vermes e da argila
Ao menos possam ter alguma serventia.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Ela caminha em formosura:

Lord Byron
Ela caminha em formosura, noite que anda 
num céu sem nuvens e de estrelas palpitante, 
e o que há de bom em treva ou resplendor 
se encontra em seu olhar e em seu semblante: 
ela amadureceu à luz tão branda 
que o Céu denega ao dia em seu fulgor. 

Uma sombra de mais, em raio que faltasse, 
teriam diminuído a graça indefinível 
que em suas tranças cor de corvo ondeia 
ou meigamente lhe ilumina a face: 
e nesse rosto mostra, qualquer doce idéia, 
como é puro seu lar, como é aprazível. 

Nessas feições tão cheias de serenidade, 
nesses traços tão calmos e eloqüentes, 
o sorriso que vence e a tez que se enrubesce 
dizem apenas de um passado de bondade: 
de uma alma cuja paz com todos transparece, 
de um coração de amores inocentes.

sábado, 12 de novembro de 2011

As paredes da depressão


Você construiu estas paredes em torno de você
Para tentar aprisionar a si mesmo
Virando as costas para o mundo
Recusando-se sempre  toda a ajuda

Seus medos eles cercaram você
Devorou toda a sua alma
A deixou quebrada em pedaços
Impossível de ser concertada 

Suas lágrimas tornaram-se rios
Até que seu corpo se afogou
E você não deixou de mentir
se afundou na sua própria loucura

A depressão está destruído você
Deixou-lhe vazio e fechado
Até que todas as memórias de nós
Você simplesmente esqueceu

Toda noite vinha a sua prisão
Tentando fazer você livre
Tentando chegar até você
Mas você não me viu

Você fechou sua mente e corpo
Deixou seu coração apenas batendo
Me viu fora das grades
Implorando que você viesse comigo

Eu sempre tentei e não consegui
Seus olhos vazios eles assistiram
Quebrou meu coração ao vê-lo assim
Eu rezei para conseguir partir

Então, venho hoje à noite, mais uma vez
Mas não para libertá-lo
Venho para dizer adeus
Mas você não pode sequer me ouvir

Eu choro quando eu vejo você
Mas eu tenho que virar
Longe vão os dias
Em seus braços eu iria ficar

Eu criei muros em volta de mim
Para manter tudo fora
Eu faço o meu coração bater frio
Então, eu não sinto mais a velha forma

Eu me tornei o que você é
O que eu fiz uma vez por medo
Nenhuma emoção me atinge
Nem mesmo uma única lágrima

Agora essas barras nos rodeiam
Atrás delas, nós morremos
escondem nossos segredos sombrios
Nós recuamos no interior

Elas bloqueiam todas as nossas emoções
Então jogue a chave fora
O mundo exterior se fechou para nós

Nós contruimos isso para fugir
Pensando que vamos escapar
Mas essas barras lentamente nos matam
Elas são apenas gaiolas para os deprimidos

Vamos apodrecer nessas celas que fizemos
Vamos amarrar-nos em cadeias
Solidão... a razão pela qual nós estamos atrás destas barras
É porque dentro de nós estamos enlouquecendo.


Extraído de † Poemas Góticos †, pela maravilhosa Lady Dark.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Hoje acordei assim



















Hoje acordei assim...
sem vontade de chorar, sem vontade de rir.
Sem vontade de brincar, sem vontade de existir.

Eu sou assim...
faço da solidão, o meu poste. Há momentos que pergunto-me 
O que é pior? Viver na terra sofrendo ou viver a tão sonhada morte?

Que tal assim...
Ontem tudo foi lindo, sonho mais que deslumbrante.
Hoje as vozes falaram-me: Ponha um fim nessa letargia constante.