quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Storm the sorrow

Já havia feito uma postagem sobre o novo álbum do Epica - Requiem for the indifferent e postarei hoje o clipe da faixa Storm the sorrow (Invarir a tristeza) que pertence a este álbum e sua tradução. Espero que vocês gostem.


Invadir a Tristeza

Ao longo do caminho eu me encontro
Para ser confinado dentro de mim
Não há lugar para qualquer outra mente interferir
Para compreender o significado de tudo
Para superar os meus limites
E dançar longe de qualquer vazio e sons vazios

Apenas me diga por que
Apenas me diga como
Eu posso sobreviver desta vez

Acredite em você e olhe para longe
De tudo o que é certo dentro de você
Deixe todas as suas preocupações à porta e afaste-se,
Eu tentei perscrutar dentro do núcleo
Mas não pude invadir a tristeza
Meu coração vazio sangrou secamente, me deixou a vaguear

Outra vez sem deixar rastros,
Me condene agora
Envie-me para o inferno
Porque eu já estou caindo

Entrelace as linhas
E mergulhe sob o escuro
Perceba a dor em que vivemos
Diabolize a necessidade que bobinamos, não
Em minhas memórias eu vou cavar fundo o suficiente para saber
Séculos de sonhos intermináveis
De outro que me rendeu lágrimas quando alguém traiu

Sem tempo para desperdiçar
Não é tão complicado
Você é livre para viver a sua vida à vontade
Sem mais restrições

Sem calor para sombras no seu caminho
Que tentam roubar seu riso
Suas luzes irão conduzir todos eles
Seja confiante

Eu me conterei?
Eu posso me arrepender?
Você vai estar lá?
Apague a página
Onde eu estou sozinho e doente

Entrelace as linhas
E mergulhe sob o escuro
Perceba a dor em que vivemos
Diabolize a necessidade que bobinamos, não
Em minhas memórias eu vou cavar fundo o suficiente para saber
Séculos de sonhos intermináveis
De outro que me rendeu lágrimas quando alguém traiu

Então, esta é minha vida
E ela não vai me derrubar
Vá, eu vou decidir
Quem pode entrar e curar minha doença
Queimá-la em chamas
Matá-la e mutilar
Por que você não consegue ver que você precisa ser liberto?

Entrelace as linhas debaixo da escuridão
Cada pedaço de dor que estamos sentindo
Cada outra vida solene
Nas memórias você vai encontrar algum modo
Lá usado de ser um sonho interminável
Não precisa mais estar sozinho

Entrelace as linhas
E mergulhe sob o escuro
Perceba a dor em que vivemos
Diabolize a necessidade que bobinamos, não
Em minhas memórias eu vou cavar fundo o suficiente para saber
Séculos de sonhos intermináveis
De outro que me rendeu lágrimas quando alguém traiu
Alguém traiu.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Edgar Allan Poe



Nascido dia 19 de Janeiro de 1809 em Bostom e falecido dia 7 de Outubro de 1849 em Baltimore, Edgar Allan Poe, foi um autor, poeta, editor e crítico literário estadunidense, fez parte do movimento romântico americano e um dos primeiros autores americanos de conto. 

Poe ficou mais conhecido também como o primeiro autor de um romance policial moderno e por suas histórias macabras, com atmosfera gótica, como no poema O Corvo e o conto A queda da casa de Usher. Ele é uma grande fonte de inspiração para vários artistas.

Seu pai, que era ator, o abandonou com sua mãe, que também era atora e mais tarde veio a falecer.  Após isso foi acolhido por um casal de franceses, que o levaram para  uma longa viagem a Escócia e Inglaterra, onde recebeu educação clássica.
Frequentou uma faculdade em Virgínia, mas a deixou por falta de dinheiro, porém há alguns boatos dizendo que Poe foi expulso. 

Após ter saído da faculdade, Poe entrou nas forças armadas, serviu durante 2 anos e depois que falhou como cadete foi dispensando.
Sua carreira começou humildemente com a publicação de uma coleção anônima de poemas. Em 1827, Edgar escreve Tamerlane and Other Poems.

Poe passou a trabalhar para revistas e jornais e ficou conhecido pelo seu estilo de critica literário. Mudou-se para várias cidades por conta de seu trabalho.
Casou-se em 1835 com Virginia, sua prima de 13 anos. 

Em 1845 publicou O Corvo, um poema de muito sucesso. Em 1847 sua esposa morreu de tuberculose.
Em 7 de outubro de 1849, antes que uma produção de seu próprio jornal pudesse ser publicado, Edgar Allan Poe falece aos 40 anos e a causa de sua morte é desconhecida. Tudo o que se sabe sobre seu fim é que, foi encontrado nas ruas de Baltimore, com roupas que não eram as suas, em estado de psicose causada por algum tipo de abstinência que pode ser causada pela falta de álcool ou de remédios. No delirium tremens o afetado vê insetos asquerosos, e é um delírio fatal, pois há o desequilíbrio hidro-eletrolítico do corpo.

Poe foi levado ao hospital aonde veio há falecer quatro dias depois, mas nunca conseguiu estabelecer um discurso suficientemente coerente, de modo a explicar como tinha chegado à situação na qual foi encontrado. As suas últimas palavras teriam sido, de acordo com determinadas fontes: “Está tudo acabado: escrevam Eddy já não existe”.
Algumas de suas obras:
A Dream Within a Dream
Alone 
To Helen 
The Narrative of Arthur Gordon Pym
Silence
Lenore 
The Black Cat 
Dreamland 
The Raven
Eureka 
Annabel Lee
The Coliseum
Sonnet:To Zante
The Haunted Palace
FairyLand
Berenice 
Ligeia 
The Masque of the Red Death
The Murders in the Rue Morgue
The Mystery of Marie Rogêt)

Curiosidades:
O filme The Murders in the Rue Morgue (Os assassinatos na Rua Morgue) teve uma adaptação para cinema e foi estreado por Bela Lugosi em 1932. Mais tarde o filme passou a ter novas versões.

Tim Burton (Clique e veja a postagem), grande autor do mundo moderno, que adora contos de horror é inspirado nos livros de Poe que lia quando era criança.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Sonho



No inicio da noite
te encontrei.
Um ser triste e solitário,
me aproximei.
Te disse Olá!
mas a resposta foi um olhar vazio.
Angustiado fiquei ao te ver assim.

Um abraço te dei
tentando aquecer seu corpo
A chuva caiu
então acordei.
Da cama levantei, de repente,
olhei no espelho e tremia de frio.
Ao meu redor não havia você,
apenas eu e o vazio.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Bram Stoker



Abraham "Bram" Stoker, nasceu em Dublin dia 8 de Novembro de 1847, sendo o terceiro filho entre sete irmãos e faleceu dia 20 de Abril de 1912 em Londres.
Bram passou grande parte de sua vida ouvindo histórias de terror contadas por sua mãe, o que contribui para sua criatividade e crescimento artístico.
Foi um escritor romancista, poeta e contista irlandês, mais conhecido atualmente por seu romance gótico Drácula, que foi inspirado no principe romeno, Vlad Tepes, O Empalador, cuja obra deu origem ao filme Nosferatu (1922), este, foi uma forte inspiração para filmes de terror.

Em 1878 Stoker casou-se com Florence Balcombe emudou-se para Londres, onde passou a trabalhar na companhia teatral Irving Lyceum, assumindo várias funções e permanecendo nela por 27 anos. Em 31 de Dezembro de 1879 nasceu seu único filho.
Trabalhando para o ator Henry Irving, Stoker viajou por vários países, apesar de nunca ter visitado a Europa Oriental, cenário de seu famoso romance. Antes de escrever Drácula, Stoker passou vários anos pesquisando folclore europeu e as histórias mitológicas dos vampiros. Depois de sofrer uma série de derrames cerebrais, Stoker faleceu em Londres, onde foi cremado.

Parabéns pelo seu trabalho Bram!

Algumas de suas obras:
1879 - Os Deveres dos Oficiais das Sessões na Irlanda
1882 - Coleção de contos Sob o Sol
1891 - O Castelo da Serpente
1897 - 26 de maio - Drácula
1903 - A jóia das sete estrelas
1904 -  O homem
1909 - Publica O Caixão da Mulher -Vampiro
1911 - A toca do Verme branco