segunda-feira, 15 de abril de 2013

Catedral da Sé



Construída no período de 1913-1954, projetada pelo alemão Maximiliam Emil e localizada no centro de São Paulo, a atual Catedral da Sé está entre os cinco maiores templos Neogóticos do mundo.
Com todas as suas peças trazidas da Itália, seu estilo foi inspirado nas antigas catedrais europeias.

Após um longo período de deterioração, a catedral foi reformada, ganhando 14  torres e revitalização dos sinos, além de ganhar também, acabamentos que não foram possíveis de ser feitos antigamente. Em 2002, lá estava ela, com as portas abertas novamente!



O que não poderia faltar em uma igreja com marcas da era medieval seria o instrumento tão bem tocado e apreciado por pessoas naqueles momentos:
Fabricado em 1954, o órgão desta catedral tem cinco teclados manuais, 329 comandos, 120 registros e 12 mil tubos, cujas bocas, de forma gótica, apresentam relevos entalhados à mão.



A arquitetura envolve todo um Estilo Gótico: Formato de cruz latina, muitos arcos e uma linda rosácea na entrada principal, porém, foi considerada uma arquitetura Neogótica, pois também há elementos de outros estilos em sua construção.
Suas duas principais torres possuem 92 metros cada e a capacidade de pessoas nesta linda obra é de 8.000. Sem dúvidas, uma enorme e maravilhosa estrutura.


O altar foi feito em mármore Carrara e as imagens em bronze. Sua cripta pode ser considerada uma verdadeira igreja subterrânea. Ali encontram-se trabalhos do escultor Francisco Leopoldo e o mausoléu em bronze do cacique Tibiriçá, chefe dos índios guaianazes, que acolheu os primeiros jesuítas no planalto de Piratininga e, com seu auxílio, possibilitou a fundação da cidade de São Paulo. Também lá estão os túmulos dos bispos da diocese de São Paulo e de Diego Antônio Feijó.



Fontes: 
Wikipédia;
Catedral da Sé.

CLIQUE AQUI E FAÇA UMA VIAGEM PELA CATEDRAL!



Espero que tenham gostado desta postagem. Estarei sempre aguardando e agradecendo sua visita.
Vamp.



quarta-feira, 10 de abril de 2013

Arquitetura Gótica


Em meados do século X, a Europa se encontrava em um estado crítico. 
Ao longo deste, foram produzidas esculturas, pinturas e outras expressões artísticas.

No inicio do século XII a arquitetura românica ainda era predominante, porém, a mudança dos tempos criou  uma revolução arquitetônica.

No século XVI, essa forma diferente de se construir foi chamada de Gótica (nome que associava sua aparência considerada estranha como os Godos). Hoje a arquitetura gótica é considerada uma das mais belas e cheias de significado já produzidas.

Uma das catedrais mais conhecidas em estilo gótico puro foi a de Saint-Denis em Paris (Imagem 01) e a de Notre-Dame (Imagem 02), localizada também em Paris (França). Não poderei deixar de citar as catedrais de York (Imagem 03) e Lincoln (Imagem 04), que encontram-se no Reino Unido (Inglaterra).



Características mais importantes  desta arquitetura: 
Abóbadas de nervura - Era o que deixava as catedrais mais altas, e sua posição de verticalidade indicava que os fiéis podiam estar mais perto de Deus naquele lugar.
Vitrais - Estes davam um toque de leveza e amplitude à obra. A claridade que deles entravam, combinavam com as naves laterais, especialmente quando  haviam muitos vitrais vermelhos e azuis.
Portais - Nas catedrais românicas, há um só portal, na gótica há três. Acima do portal principal há uma grande janela e, acima desta, uma rosácea.


Catedrais Góticas sempre apresentam a planta no formato de um crucifixo, vejamos seus elementos:

Entrada: Parte coberta que antecede a igreja. A entrada  nesse estilo de catedral "caracteriza-se como um espaço estreito transversal à nave". 
Nave: É a ala central de uma catedral. Também existem as naves colaterais que ficam aos lados. 
Cruzeiro: Área do encontro da Nave com o Transepto. 
Braços: Nave perpendicular a nave principal. Forma a cruz com a nave. 
Coro: Localizado após o cruzeiro, antecede o altar, geralmente destinado a pessoas especiais, como os padrinhos no casamento ou autoridades num evento, às vezes apresenta um presbitério. 
Presbitério: Parte do Coro destinada ao clero, perdeu sua função e hoje é considerado parte do coro. 
Abside: Onde se localiza o altar, é o lugar onde se celebra a missa, e é a parte mais importante da catedral, geralmente é decorado com vitrais ou grandes crucifixos. 
Deambulatório: Localizado após o altar, seu nome vem do latim "ambulatorium", que significa lugar para andar. 
Capela radiante: Várias capelas pequenas localizadas perto do deambulatório.



Vejamos agora detalhes de algumas Catedrais Góticas:




Queria postar um texto um pouco mais esclarecedora obre este lindo movimento arquitetônico, porém não conseguir o fazer. Ainda assim, estarei sempre aguardando e agradecendo sua visita.
Vamp.


terça-feira, 9 de abril de 2013

Literatura Gótica Brasileira


A valorização do "Eu", da sensualidade feminina, da melancolia e do tédio, além da preferencia à fantasia é uma das marcas da Literatura Gótica Brasileira, conhecida como Ultra-romantismo, ou como alguns dizem, Segunda geração romântica.

A partir de mais ou menos 1840, surgiu uma geração que tinha o desejo de expressar seus sentimentos mais profundos em versos e contos. A geração do Mal do Século possuía uma obsessão pela noite e pela morte e por isso, suas palavras também foram representações de desejos eróticos e dúvidas sobre a vida.

No Brasil, a Literatura Gótica destaca-se mais em poesias que em histórias.
Nos versos livres, cada autor deixa sua marca.

Influenciado pelas obras de Lord Byron, o escritor Álvares de Azevedo é um dos grandes nomes, não só da literatura ultra-romântica, mas de toda literatura brasileira.
Além de Álvares, podemos destaca também, Junqueira Freire, que demonstra sua sexualidade reprimida, os conflitos com sua profissão (Frei) e é claro, seu pessimismo para com a vida.

Laurindo Rabelo, o homem que abandonou as várias profissões que queria seguir e  um grande apreciador da noite, também foi um ótimo escritor da Segunda geração romântica.
Casimiro de Abreu, que foi inspirado pelas saudades de sua família enquanto estava residindo em Portugal, não pudia deixar de estar na lista. Um dos versos que considero um dos mais belos de sua autoria é da poesia Desejos:

"Se eu soubesse que no mundo
Existia um coração,
Que só' por mim palpitasse
De amor em terna expansão;
Do peito calara as mágoas,
Bem feliz eu era então!"

Dica de livro: Noite na Taverna - Álvares de Azevedo.

Então, este foi um pouco do conhecimento que tenho sobre a Literatura Gótica Brasileira. Estarei sempre aguardando e agradecendo sua visita.
Vamp.

Fontes: Espectro gótico
Só Literatura

Literatura Gótica


Durante a renascença (séculos XV a XVI), a fé medieval e a visão carregada do mundo foram substituídas pela inspiração no equilíbrio da antiguidade clássica. A temática gótica funde-se a mitologia greco-romana.
A renascença consagraria o espirito do desenvolvimento da racionalidade, opondo-se aos dogmas absolutistas da fé católica.

No início do século XIX, escritores procuravam se afastar das regras clássicas, valorizando a predominância da sensibilidade e da imaginação. No núcleo do romantismo encontramos a vida sobre um prisma caótico.
Explorando aspectos obscuros da alma humana, os autores romanticistas questionam o socialismo estabelecido e convidam seus leitores a ver o lado menos agradável da vida, mas não o menos real.

As influências dessa forma de visão irradiam-se por obras de muitos gêneros: Romance, horror, fantasia e até ficção científica. O questionamento do "Eu" sobre a vida sempre se fez presente.
A expressão fornece contornos distintos as coisas do além, da vida e da morte.

Uma boa viagem pela estrada da literatura gótica começa por O Castelo de Ortanto (1764), do autor Horace Walpole, que aborda castelos em ruínas e um clima de mistério sobrenatural. Frankenstein de Mary Shelley (1816), que se destaca pelo tocar na discriminação da estética do horrível.
Drácula de Bram Stoker (1992), também faz parte disto e além de ser uma das grandes inspirações para os romanticistas, é também, o segundo personagem mais abordado da história, seguido por Jesus Cristo na terceira posição.

Ann Radcliffe cita em suas obras cenários misticos que ajudou o gótico que explicaria fenômenos até então inexplicáveis. Sua técnica de escrita foi significativa, pois levou um grande respeito para a literatura gótica.
Lord Byron é um dos poetas mais apreciados da literatura inglesa e tinha uma boa crítica social, sabendo expressar bem a tristeza humana.
Edgar Allan Poe, escritor conhecido por seus parágrafos românticos e  macabros também está incluso na história do movimento literário gótico. 
Charles Baudelaire demonstra o simbolismo e modernismo em suas escrituras. Uma das obras mais conhecidas deste é As flores do mal.


Caros leitores, este foi um breve resumo sobre a Literatura na cena gótica, espero que não tenha sido cansativo e esteja bem explicado. Estarei sempre aguardando e agradecendo sua visita. 
Vamp.

Fontes:
O renascimento cultural europeu
Wikipédia