domingo, 28 de fevereiro de 2016

Banda Desrroche



A Desrroche é uma banda de Rock Industrial com influências e temáticas góticas formada no ano de 2002 em Salvador/Bahia/Brasil. A banda se destaca pela dinamicidade e pelas suas letras cantadas em português, pois a expressão e o entendimento das palavras são foco, permanecem sempre em evidência. A Desrroche explora um terreno ainda pouco conhecido pelo mundo underground baiano por conta de seu som forte e seu visual baseado nas estéticas do horrror, algo que é extremamente característico do estilo e que torna a mesma, inconfundível por onde se apresenta. 

Muito dedicados ao que fazem, os membros da Desrroche mostram que os tipos de show onde as bandas sobem no palco apenas para “plugar”, tocar instrumentos, “desplugar” e irem para casa podem muitas vezes não valer a pena. O som deles é uma coisa realmente mágica.

O teatro sempre envolveu a banda nas interpretações. Os membros possuem a necessidade de cantar e levar aquele sentimento também para o físico. Eles não tentam limitar os sentimentos quando estão no palco e expelem toda essa energia para o publico. É bastante notável a composição cênica de cada música executada em suas apresentações, o que deixa tudo cativante mesmo para quem não seja adepto do estilo.


“Nós almejamos mostrar esse trabalho para o Brasil e para o mundo, queremos que saibam que aqui em Salvador existe uma banda como a nossa e mostrar toda a força que existe aqui. Queremos expandir a nossa arte para o maior número de pessoas possível, pois queremos que mais pessoas vejam, ouçam e sintam a Desrroche.”
- Lex Pedra.


SOBRE AS INFLUÊNCIAS:

A inspiração das composições vem dos conflitos da sociedade, da degradação humana e da agressão do homem em relação a natureza e da resposta da natureza para com essa agressão. Não há nenhuma linha exata que influencie o som de suas músicas; talvez nomes como Marilyn Manson, Ratos de Porão, Nine Inch Nails, Cordel do Fogo Encantado, Rammstein e Rob Zombie possam ser citados.

“Estamos sempre fundindo batidas e sonoplastia nas nossas composições, o rock industrial é o estilo que está mais próximo das referências direcionadas a Desrroche hoje.”





UM POUCO MAIS:

No Festival Palco do Rock 2012, a Desrroche levou algumas inovações para o palco. Na música Enola Gay, que reporta o bombardeio da Hiroshima e Nagasaki, houve uma bazuca com fogos de artifício para o palco […] 
Houve também mais um elemento surpresa: a intervenção de um personagem mascarado atuando com uma motosserra, levando para o palco mais entretenimento e performance.

Esse mês a banda Deathstars promoveu o trabalho da Desrroche em sua página oficial do Facebook, o quê mostra que o trabalho deles está sendo maravilhosamente conhecido.







A respeito do álbum "Se eu morresse amanhã...", que ganhei do meu colega Ninovisk, só tenho a agradecê-lo e também parabenizar todo pessoal da banda pelo trabalho. Repito diversas vezes e continuo achando incrível. Vocês me encantaram, especialmente na faixa que executam belamente o glorioso poema de Álvares de Azevedo, que aliás foi título do álbum. 



"Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n'alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã...
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!"



INTEGRANTES:

Lex Pedra (Voz).
Mokka (Bateria).
Adriano Mars (Guitarra).
Lucius Dark (Sintetizador).
Ninovisk Oliver(Contrabaixo).






UM BREVE RECADO:

Para os leitores deste espaço, pedimos com grande humildade mais um pouco de atenção para com as bandas locais do seu estado e do nosso país. Vamos valorizar o que está sendo feito na nossa terra, tentar nos unir mais e amadurecer o conceito de gêneros e subgêneros dentro do rock 'n' roll, onde nós sabemos que na verdade não existe tal apartheid se tratando da ideologia que sempre nos levou a liberdade e união. Vamos nos espelhar nas grandes bandas e nos grandes festivais onde todos os estilos de rock se encontram e fazem uma enorme celebração.


CONFIRA OS LINKS:

>>> Canal no YouTube: 
http://www.youtube.com/user/desrroche
>>> Facebook: 
https://www.facebook.com/BandaDesrroche
>>> Site oficial:
https://bandadesrroche.wix.com/desrroche
>>> SoundCloud: 
https://soundcloud.com/derroche


Para saber mais, veja a matéria na Wishplast, onde há uma entrevista com o vocalista da banda: http://whiplash.net/materias/entrevistas/151558-desrroche.html


Uma boa semana!



terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Os filhos de Lilith - O despertar.


Saudações leitores! Estou aproveitando os dias de folga para entrar no universo do livro Os filhos de Lilith  -  O despertar, então, decidi compartilhar um pouco disso com vocês.

A obra de 160 páginas foi escrita pela paulista Elaine Velasco, e publicada em 2015, pela editora Madras Teen. Estou fascinada com a escrita facilitada e a temática do livro, onde temos  uma mistura feita com algumas doses de romance, ação e terror, o que não é muito comum de ser ver na literatura nacional. Para mim, a autora deveria ter entrado em mais detalhes durante a citação de alguns personagens e não ser tão direta quanto a descoberta de alguns pontos, mas isso não faz com que tudo deixe de ser bom. 

Os filhos de Lilith - O despertar conta a história de Alice Layil, uma jovem diagnosticada com leucemia que depois de uma briga com os pais e foge de casa. Durante sua fuga, Alice é seguida e sequestrada por um homem de aparência estranha. Depois de certo tempo ela tenta escapar do cativeiro. Nessa tentativa, já debilitada, encontra uma conhecida de que também foi levada pelo mesmo homem que a sequestrou. Melissa ajuda Alice e as duas conseguem fugir e são acolhidas por Carlos.
Depois desse trauma e sem ter muitas lembranças, Alice se sente extremamente atraída pelo garoto que a acolheu e queria mantê-la a salvo. Porém, certo dia, quando estavam trocando carícias, as coisas começaram a fugir do controle e Alice, deitando sobre Carlos, cravou os dentes sobre seu pescoço, interrompendo seu fluxo sanguíneo e o matando.

Várias coisas começam a ocorrer após essa fatalidade, então ela descobre que precisa se nutrir de sangue e faz isso se alimentando de marginais que vivem próximos a Catedral da Sé, localizada na grande São Paulo. É a partir daí que a protagonista encontra Carol, que teve  uma vida solitária durante muitos anos e agora ensina Alice coisas sobre o universo em que ela está adentrando, inclusive que ela não precisa se alimentar exclusivamente de sangue, mas também de energias vindas da luxúria. Enquanto sua memória está voltando e seus poderes fluindo, ela conhece um vampiro sedutor que a envolve em uma perigosa trama.


Antigos fatos sobre sua família ligam Alice aos filhos de Lilith com Caim, que a faz se tornar desejada por todas as criaturas noturnas, dentre essas, íncubos, súcubos, anjos e demônios. O nascimento de uma nefilin quebra o equilíbrio entre as forças do bem e do mal e estar do lado correto numa guerra será algo imprescindível.

Esperam que tenham gostado dessa resenha e se preparem que vem mais por aí. Até a próxima!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Gothic Nic

"Para aqueles que não acreditam, existem sim, ainda poucos mas também os que podem estar adormecidos, apreciadores desta subcultura tão conhecida e cheia de mistérios e adeptos no mundo todo: Os Góticos."
Ninovisk.


No dia 17/01/2016 foi realizado na cidade de Feira de Santana o primeiro Gothic Nic, um pequeno evento que reuniu alguns simpatizantes da Subcultura Gótica presentes na região baiana.

Em suas lindas vestes, os seguidores do estilo se encontram no Parque da Cidade, se conheceram e trocaram informações sobre música, literatura, cinema e muito mais enquanto faziam seu banquete da tarde.


Apesar do tempo instável e de poucas pessoas presentes, a bandeira do movimento foi erguida e atiçou curiosidade dos jovens e também das pessoas mais maduras, sem contar que após o evento foram ouvidos vários comentários.

Durante o encontro, também foram feitas fotos para divulgação dos costumes através do trabalho de Fernando Lopes, que tem um olhar artístico incrível e sorteios de uma camisa e vários DVDs disponibilizados pela loja All Tribes. Muito obrigada à vocês por fazerem parte disso.


Os anfitriões do Gothic Nic esperam mais pessoas no próximo encontro, que ainda será planejado, então fique esperto curtindo nossas páginas para se programar e fazer parte, seja se adaptando ou apenas prestigiando este maravilhoso movimento.

>>>>> Acesse as páginas para ter acesso a mais fotos e informações <<<<<